Entenda o que é o ROI em TI e aprenda a definir métricas para calcular os investimentos feitos no setor.

Em tempos de crise, nenhuma empresa arrisca investir em um projeto sem a certeza do retorno. O mesmo serve para gestores de TI, pois eles também precisam medir os resultados antes de qualquer iniciativa. Nesse caso, estamos falando do ROI em TI, que ajuda a identificar se um investimento nesta área pode trazer retorno para todo o negócio.

Para mensurar seus investimentos, as empresas recorrem aos cálculos de ROI - sigla em inglês de return of investment. Uma matemática útil e necessária para mostrar como a organização pode se beneficiar ou se prejudicar ao fazer investimentos. Siga a leitura para aprender a calcular o ROI e conhecer métricas para fazer esse cálculo.

Por que usar o ROI em TI?

É por meio do ROI em TI que os gestores de empresa conseguem prever a eficiência de um projeto. Não existe prova mais concreta para entender se um investimento funcionou do que analisar seu retorno ao longo dos meses. É exatamente isso que o ROI pode trazer.

Para fazer corretamente o cálculo do ROI, no entanto, é preciso definir as métricas adequadas. Como a área de TI possui benefícios tangíveis e intangíveis, muitos não fazem o cálculo de ROI adequado para o setor, o que é um erro.

Gestores sempre devem medir o resultado de qualquer projeto antes de direcionar esforços e recursos para eles. Caso contrário, podem chegar a decisões inadequadas e desperdiçar capital.

O cálculo do ROI em TI é muito útil para a tomada de decisão empresarial, pois determina o impacto financeiro dos investimentos.

Benefícios da TI que importam para o ROI

Investir em TI é vital para qualquer empresa que deseja se manter competitiva. Em uma realidade na qual uma quantidade cada vez maior de processos empresariais é automatizado e digitalizado, deixar a TI estagnada é fazer um grande favor para a concorrência.

Os investimentos em TI podem trazer uma série de benefícios do ponto de vista financeiro. Entre eles pode-se destacar:

  • Redução dos deslocamentos;

  • Redução da indisponibilidade do serviço;

  • Diminuição de erros;

  • Melhorias no atendimento ao cliente.

Todos esses benefícios podem ser analisados por meio de métricas que expressam resultados financeiros. O atendimento mais rápido ao cliente, por exemplo, pode resultar no aumento de vendas e na redução da taxa de reclamações ao SAC.

Mas nem todos os benefícios em TI são assim. Alguns deles são considerados intangíveis porque têm efeitos indiretos nas finanças da empresa. Entre eles, destacamos:

  • Melhorar a satisfação do cliente;

  • Tornar o sistema interno mais prático;

  • Automatizar os processos;

  • Embasar e aprimorar as decisões;

  • Melhorar a comunicação interna e com o cliente.

Como são difíceis de mensurar, essas métricas muitas vezes são ignoradas. Isso é um problema porque parte dos resultados vantajosos que os investimentos em TI podem trazer fica no escuro. Calcular o ROI em TI sem essas variáveis é o mesmo que fazer o serviço incompleto.

Métricas utilizadas para calcular o ROI em TI

Para fazer esse cálculo, é preciso ser detalhista e operar com o máximo de informações. São elas que ajudam a determinar o verdadeiro retorno financeiro que um investimento ou projeto podem trazer. Em situações de crise, elas ajudam a determinar o que realmente é vantajoso e deve ser aplicado rapidamente na empresa.

As métricas devem incluir dados a respeito dos benefícios tangíveis e intangíveis que o projeto pode trazer. Entre elas é possível citar:

  • Payback Period: tempo que leva até que os custos do projeto sejam pagos com seus retornos. Ex: um projeto que custa R$10.000 de implementação e tem um retorno estimado de R$2.000 mensais tem um payback period de 5 meses;

  • Not Present Value (NPV): estima o retorno do projeto no futuro, depois que o payback period estiver finalizado;

  • Internal Rate of Return (IRR): retorno em taxa de juros, representado por uma taxa em determinado período sobre o valor de investimento. Ajuda a definir se é melhor investir o dinheiro no projeto ou mantê-lo aplicado;

  • Non financial ROI: métricas relacionadas aos benefícios intangíveis dos projetos de TI.

Como calcular o ROI em TI

Ele é calculado através de uma fórmula bastante simples:

(lucro do investimento - custo do investimento) / custo do investimento.

O grande problema é que cada um desses fatores contém diversas métricas para estimar o lucro e o custo do investimento. Algumas empresas erram no cálculo do ROI em TI ao estimar custos ou lucros inferiores ao valor real.

No caso dos custos, existem alguns que são invisíveis ou diluídos em outros processos da empresa. Na aquisição de novos computadores, por exemplo, o custo vai bem além do valor das máquinas. Devem ser considerados também o valor de implantação, configuração e aquisição dos softwares que os colaboradores precisam para trabalhar.

O primeiro passo para determinar o ROI em TI é definir as métricas e custos adequadamente. Evite pular etapas ou ignorar valores que parecem insignificantes. Um exemplo prático: imagine uma empresa que está considerando investir em um software customizado para suas necessidades. Atualmente ela utiliza outro programa de uso livre sem valor de licença, mas que exige um profissional especializado para operá-la.

Para tomar essa decisão, o cálculo do ROI deve comparar o custo da solução atual e da solução possível. Se o software customizado for mais simples para toda equipe, ele pode contribuir com a redução dos custos de manutenção e evitar a contratação de um profissional especializado. Caso a economia seja maior que o custo do software atual, a troca é válida.

Entendeu como esse cálculo pode ser útil a sua empresa? Visite a página da Lenovo para PMEs e veja outras dicas relevantes para a gestão de TI da sua empresa!